A Assembleia Estadual e a farsa do SINTE

A Assembleia Estadual e a farsa do SINTE

Seção de Trabalhadores da Educação

Avaliação da Assembleia de trabalhadores da educação da rede estadual
17 de outubro

Se não bastassem todos os abusos e desrespeitos que o governo estadual, a SED e as direções de escola têm imposto aos trabalhadores da educação, no dia 16 de outubro a categoria foi convidada para ser humilhada pela direção estadual do sindicato.

Uma assembleia mal divulgada, com uma pauta abstrata, desinformativa (Informes; Conjuntura e Encaminhamentos) e com acesso dificultado por um processo de cadastramento problemático. Por duas horas os 299 professores que conseguiram participar foram forçados a ASSISTIR em silêncio (com seus microfones mutados pela organização) uma direção sindical patife mentir descaradamente para aqueles que pagam seus salários.

Os governos do estado e dos municípios forçando o retorno dos contratados e terceirizados às atividades presenciais com os PLANCONs, assinados por essas mesmas direções sindicais que tentam garantir que não há nada a temer e que não haverá retorno. Como podem afirmar isso, se todas as informações que recebemos dizem o contrário? Se já estava claro para todos que o interesse dos empresários e governantes é o retorno seja lá em qual condição for, a Assembleia Estadual serviu pra deixar claro de que lado o SINTE Estadual está.

Depois de duas horas de falas quase exclusivamente de dirigentes alinhados à direção cutista, enquanto os pedidos da base no chat (único meio de expressão naquele espaço) para ter direito de voz eram completamente ignorados, os “encaminhamentos” foram o golpe final. Quatro propostas insignificantes foram apresentadas, sem que fosse permitido o debate sobre elas e nem a inclusão de novas propostas, e submetidas a um regime de votação em que, por 2 minutos e 20 segundos, supostamente haveria um botão para que declarássemos nosso voto de boiada. Para grande parte dos presentes, esse botão sequer surgiu. Mesmo assim, as quatro propostas foram consideradas aprovadas por um número suspeito de votantes.

Também em muitas Assembleias regionais, a categoria foi convocada para discutir a reforma administrativa, tema importante, mas que deixou de lado necessidade urgente de combater o retorno das aulas presenciais. A Greve pela Vida, pautada por algumas regionais, foi completamente suprimida do debate, principalmente na Assembleia estadual que terminou sem nenhuma orientação real para a luta da categoria.

Trabalhadores, não podemos acreditar nem por um minuto sequer que o SINTE estadual fará uma luta de verdade contra o plano de contingência para o retorno às aulas presenciais que eles mesmos colaboraram pra elaborar! A cada movimento seu, esse sindicato deixa claro que pouco se importa com o que pensamos e queremos. Mas nós queremos a luta!

Se você quer ser ouvido e tem vontade de agir para organizar uma resistência de verdade aos absurdos desses governos assassinos, participe de nossa Reunião Virtual independente, dia 23 de outubro, às 17 horas. Para participar, basta entrar em contato com (44) 98413-1493.


🏴🚩 Sindicato Geral Autônomo – SC
E-mail: siga.sc@protonmail.com
Wpp: (44) 98413-1493

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *